Entenda como funcionam as ações de cobrança dos empréstimos e qual o melhor momento de optar pela abertura de um processo judicial

A situação econômica do país tem tornado mais difícil honrar com os compromissos financeiros, causando o endividamento de diversas famílias. Mas, não podemos desconsiderar o fato de que a inadimplência é o principal termômetro da saúde financeira e deve ser devidamente solucionada e  administrada.

Na Mutual, temos um rigoroso e completo processo de cobrança de dívidas, realizando diversas tentativas de negociação amigáveis, que se iniciam antes do pagamento das parcelas e permanecem nos momentos em que o tomador do empréstimo deixa de pagar as prestações em dia.

Nos casos em que as ações administrativas de cobrança da dívida não geram resultados positivos, torna-se necessária a adoção de outros métodos de negociação para buscar a satisfação dos débitos. Entre eles está a cobrança judicial.

Quando essa decisão é tomada pelo investidor cujo recebimento está atraso, o Poder Judiciário é acionado, com o intuito de coagir judicialmente o devedor a efetuar o pagamento do empréstimo contratado. Ou seja, é feita a recuperação do crédito por meio da via judiciária, que se faz necessária nos casos em que não há sucesso no retorno do pagamento da dívida, renegociação ou parcelamento das prestações.

Vale a pena abrir um processo judicial para recuperar o valor da dívida?

A decisão de iniciar a cobrança judicial cabe ao investidor e sempre recomendamos que este seja o último recurso para a tentativa de recebimento do crédito. Entretanto, há algumas diferenças básicas entre os meios extrajudiciais e a abertura do processo que podem ajudar a avaliar se é válido prosseguir por vias judiciais ou não:

Quando decidir pela abertura da ação judicial

Consideramos alguns fatores como decisivos na hora de avaliar se chegou o momento de ingressar com um processo judicial. O que recomendamos que você leve em consideração: 

  • Valor da dívida: nos casos de empréstimos em que as prestações estão praticamente quitadas ou o saldo restante é muito pequeno, o investimento necessário para ingressar com a ação judicial pode ser desvantajoso. Além disso, quando o tomador já pagou diversas parcelas, é um indicativo de que, mesmo que esteja inadimplente no momento, tem o caráter de bom pagador.
  • Período de inadimplência: por mais que seja desagradável o fato do devedor estar inadimplente há mais de um mês, sugerimos, como referência, aguardar o prazo de 120 dias com a cobrança convencional e somente então repassar o caso ao escritório de advocacia para que inicie o procedimento de cobrança.
  • Comportamento do devedor: nas cobranças convencionais, se o devedor se mostra receptivo e demonstra interesse em realizar um acordo ou quitar a dívida, talvez seja interessante aguardar ou oferecer  desconto para facilitar o desfecho do  caso. Já se o devedor não é encontrado ou demonstra pouco ou nenhum interesse em regularizar a situação, provavelmente a via judicial surtirá mais efeito.
  • Carteira geral de investimento: é preciso ter em mente que se trata de um investimento de risco e que nem todo crédito será sempre recuperado. Por isso, manter uma carteira de investimento saudável já considera que tais acontecimentos possam ocorrer, sem afetar a rentabilidade.
  • Não garantia de recuperação do valor da dívida:  existe a possibilidade que, ainda que o processo seja bem-sucedido, o débito em atraso não seja recuperado. Esse é um dos principais riscos que precisam ser levados em consideração ao optar por uma ação judicial.

Caso a decisão final seja realmente seguir com a abertura de um processo judicial, o investidor deverá solicitar o início do procedimento entrando em contato conosco por meio da nossa Central de Ajuda, incluindo no assunto “Processo judicial”.

A Mutual realiza um estudo de econometria processual para entender o melhor momento do início do processo e entra com a ação de acordo com a demanda, estudando a prioridade de cada caso.

E, caso queira verificar o seu caso antes de tomar uma decisão, conte conosco para orientá-lo!

 

Este artigo foi útil para você?

Esperamos que esse artigo tenha sido útil e esclarecedor para você! Fique de olho no blog da Mutual para mais assuntos como este.

E se você ficou com alguma dúvida, pode deixar um comentário no FacebookInstagram e Linkedin!

Posted by Milena Almeida

Analista de Marketing na Mutual. Formada em Jornalismo, com especialização em gestão de projetos para mídias digitais e interativas, possui experiência no planejamento, execução e gestão de estratégias de Comunicação Integrada e Marketing Digital.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *