Como definir metas e objetivos financeiros que realmente te ajudem a sair do vermelho

Muitos são os motivos que nos levam a pedir um empréstimo: desde um problema financeiro até a realização de sonhos. Mas, qualquer que seja a finalidade, comprometer a renda com um financiamento sem se planejar pode ser uma cilada.

É preciso pensar nessa decisão de forma estratégica: ter bem clara a finalidade do empréstimo, definir metas e ações assertivas para se comprometer com o pagamento das parcelas e alcançar o objetivo pretendido sem virar a vida financeira do avesso.

Organizando as finanças antes de obter o crédito pessoal

Se bem utilizado, o empréstimo pode não só auxiliar a quitar dívidas como proporcionar a realização de metas de vida. E, como tudo que envolve a saúde financeira, a decisão para pedir um empréstimo pessoal deve ser muito bem analisada. Alguns passos importantes são:

  1. Crie um controle financeiro: é fundamental definir metas financeiras que ajudem a manter o orçamento pessoal equilibrado durante o ano. E com a ajuda de aplicativos de finanças pessoais ou em uma planilha mesmo, você pode acompanhar, a cada mês, suas receitas e despesas para, assim, avaliar como está sendo cumprido o seu planejamento.
  1. Avalie o tipo de empréstimo mais indicado para sua realidade financeira: quando falamos em empréstimos na Mutual, sempre cuidamos para que esse dinheiro seja uma solução para a sua vida. Por isso, uma dica é pegar um empréstimo com taxas de juros mais baixas e pagamento mais flexível, calculando o valor das parcelas que você terá que pagar. É fundamental que elas caibam no seu orçamento e que não comprometam mais do que 30% da sua receita.
  1. Crie um plano de pagamento da dívida: tendo claro o valor do financiamento e a finalidade do crédito, é importante rever as despesas atuais, cortando os itens desnecessários e priorizando os fundamentais. Aproveitar qualquer oportunidade de dinheiro extra para quitar dívidas ou garantir uma boa negociação também vale muito a pena. 
  1. Troque dívidas caras por uma mais barata: quando estamos em uma situação financeira muito crítica, é comum nos perdemos nas taxas de juros cobradas nos parcelamentos. Quando isso acontece, a melhor solução é juntar todas as dívidas em uma única, com uma taxa de juros controlada, o que ajuda a equilibrar as contas e permite ter um controle melhor do orçamento.
  1. Cuidado com a inadimplência: o endividamento acontece por vários motivos e isso fica ainda mais evidente com a instabilidade econômica. Mas, ficar negativado gera diversas restrições às suas possibilidades de acesso ao crédito. Por isso, vale tirar um momento para levantar todos os gastos, decidir quais serão cortados, quanto economizar e onde aplicar o dinheiro poupado. Uma vez com o empréstimo ativo, é imprescindível abandonar o consumismo para recuperar a saúde financeira.
  1. Atenção ao seu score: essa pontuação indica a sua reputação como pagador e influencia diretamente na hora de pedir um empréstimo. Por isso, se você tem alguma dívida ativa, mantenha-a em dia e evite contrair novas. Além disso, ter uma vida financeira saudável também influencia positivamente no score. No site do Serasa, você encontra um passo a passo para verificar os seus dados cadastrais e financeiros e, assim, manter a sua pontuação atualizada.

Quando pedir um empréstimo?

Quando usado no momento certo, com juros justos e parcelas adequadas ao seu orçamento financeiro, o crédito pessoal pode representar aquela ajuda que você tanto precisava. E se seu orçamento saiu dos trilhos, é hora de pegar a calculadora!

Analise tudo o que você tem para pagar, incluindo os parcelamentos de dívidas de diferentes fontes. Depois, confira as taxas de juros e o CET, a taxa que as financeiras cobram para fazer um empréstimo pessoal. Assim, você irá chegar no valor total da sua dívida. Considere se comprometer com uma prestação que caiba no seu bolso, sem prejudicar toda sua renda.

O que para a maioria das pessoas divide o mundo das finanças é a forma como elas lidam com a vida financeira, o que inclui o pagamento das dívidas. Se você está precisando de crédito e não quer ter que lidar com os juros altíssimos das instituições financeiras tradicionais, é só falar com a gente.

 

Este artigo foi útil para você?

Esperamos que esse artigo tenha sido útil e esclarecedor para você! Fique de olho no blog da Mutual para mais assuntos como este.

E se você ficou com alguma dúvida, pode deixar um comentário no FacebookInstagram e Linkedin!

 

Posted by Milena Almeida

Analista de Marketing na Mutual. Formada em Jornalismo, com especialização em gestão de projetos para mídias digitais e interativas, possui experiência no planejamento, execução e gestão de estratégias de Comunicação Integrada e Marketing Digital.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *